30 setembro 2009

we all rock along - cap 4





Capítulo 4 - Satisfação

   Já era noite, já era tarde. embora ainda houvesse agitação naquela casa, onde Lindsay procurava seu notebook. não o encontrava em lugar algum. ela se desesperava por um trabalho de biologia que tinha salvo e precisaria para o dia seguinte. perguntou à todos se tinham visto. entrou no quarto de Aaron, para também questioná-lo. ele tinha acabado de sair de seu banho, estava de toalha, a encarando entediado. sobre a abundante névoa que o banho quente dele liberou, Lindsay pareceu não se importar, continuou ali e começou à procurar seus pertences.

— andou malhando? — perguntou Lindsay, brincando.
— err, Lindsay, eu tô querendo me trocar. — alertou Aaron.
— não se incomode comigo, Aaron. — disse Lindsay, se aproximando dele. — como se eu nunca tivesse o visto assim: pelado.


   Lindsay tirou a toalha de Aaron, e o beijou. depois de alguns segundos, pararam intrigados, se olharam instigantes e voltaram à se beijar. Aaron fora tirando as roupas de Lindsay como se estivessem pegando fogo. logo estavam completamente nus, ainda se beijando. então caíram na cama dele com um pouco de violência, embora qualquer dor fosse imperceptível naquele momento. pareciam estar extremamente ansiosos, como se não pudessem conter a vontade e a estivessem despejando toda de uma vez, um para cima do outro. Lindsay se entregou à Aaron, e transaram como loucos frenéticos. diminuíram o ritmo quando acabaram. deitaram ofegantes sem enxergar nada ao redor. até que se recuperaram e olharam sugestivamente um para o outro.

— de novo? — propôs Lindsay.
— de novo! — aceitou Aaron. então repetiram o exaustivo ato.

   A sexta-feira chegara, para a alegria de muitos. já pouco se via do sol, que era escondido pelas espessas e repentinas nuvens. alguém tocou a campainha, Chloe estranhou por ser tão cedo e, com um bocejo, foi atender. ainda em seu pijama e com os cabelos bagunçados, se surpreendeu ao ver Amber sorrindo meio tímida pra ela quando abriu a porta.

— Amber! meu Deus! é tão cedo. o que faz aqui? — disse Chloe.
— vim te buscar. — explicou Amber.
— buscar? onde vamos?
— para a escola, oras.
— aah sim.
— vou te levar, anda, se arrume de uma vez.
— ah... tá. vamos, entre.

Gwen estava preparando seu café da manhã. se espantou com Bart, quando ele chegou na cozinha com o braço engessado, parecendo entediado.

— mas o que...? o que houve, Bart? — perguntou Gwen.
— caí de skate — respondeu Bart.
— aah! já tá bem, né?
— já. não foi nada.

Enquanto conversavam, Carter entrou na cozinha, e arregalou os olhos ao ver o braço de Bart.

— seu braço! — gritou Carter.
— que foi? já tô bem, cara. — disse Bart.
— aah droga! mas e agora pra tocar bateria?
— é, não dá, né?
— puta que pariu!
— vai melhorar logo, cara. relaxa.

Lindsay e Aaron tinham dormido juntos. assim que acordaram, Lindsay disse:

— Aaron, sem compromisso, ok?
— por mim, tá ótimo. — concordou Aaron.
— sabe, a gente não dá certo junto.
— só na cama. — Aaron sorriu, e Lindsay também.

Rapidamente, Chloe ficou pronta pra sair. então apresentou Amber para seus amigos e saiu com ela para a escola. antes de saírem com o carro, ficaram conversando.

— Amber, eu contei pras minhas amigas, sobre tudo. — disse Chloe.
— jura? que ótimo! como foi? — disse Amber.
— aah! elas entenderam super bem. sempre nos demos bem com pessoas bi. rs
— que bom, Chloe. como se sente?
— super bem. bem também por estar com voce.
— então estamos uma com a outra? sabe... juntas?
— seria perfeito.
— sabe, eu tô gostando mesmo de voce, Chloe. e quero ficar perto de voce à todo instante. mas não sei se eu sou a melhor pessoa pra voce.
— vamos descobrir.
— então, voce gosta de arriscar. quer namorar comigo logo?
— óbvio. — disse Chloe, e avançou para beijá-la em seguida.

Depois de horas e horas de aula, todos eles estavam loucos para sair da escola. Bart saiu com Josh para a pista de skate.
Gwen e Carter foram almoçar na lanchonete como de costume.
Chloe foi para casa de Amber.
Lindsay estava passando pelo corredor da escola, quando encontrou Aaron.

— vai direto pra casa? ou tem algum compromisso? — perguntou Aaron.
— não, nenhum. — respondeu Lindsay.
— err, pode me ajudar com o trabalho de inglês?
— claro, vamos pra biblioteca.
Chegaram na biblioteca, sentaram-se e começaram a fazer o trabalho, mas o tédio mal os deixava pensar. Aaron não aguentava mais, então propôs:
— que tal aqui mesmo?
— ahn? — disse Lindsay.
— voce sabe. sexo na biblioteca, vai ser maneiro.
— tá louco?
— ah Lindsay, vai dizer que nunca teve vontade?
— vamos logo, Aaron.
Eles foram pra trás das últimas estantes da biblioteca, se beijando eufóricamente. logo, abaixaram as calças e estavam transando sem deixar a enorme e vazia biblioteca percebê-los.

Enquanto estavam descansando numa parte alta da pista de skate, Bart e Josh não falaram absolutamente nada, só se podia ouvir a respiração ofegante deles, até que Josh disse:

— cara, eu posso mesmo contar tudo pra voce?
— claro, brother. eu sou seu melhor amigo afinal — garantiu Bart.
— sério. não vai achar muito estranho?
— como vou saber? por que não diz logo?
— cara, eu sinto... uma coisa...
— o que, bro?
— uma atração.
— tá. por quem?
Josh ficou em silêncio, olhando pras mãos. mas Bart insistiu:
— por quem, cara?
Josh levantou a cabeça e disse:
— por voce.
— aaahn? — Bart se espantou.
— merda! eu tô morrendo de vergonha.
— meu Deus, voce é gay?
— não cara, eu nunca fiz nada.
— mas faria...
— eu não sei sobre isso.
— ao menos gosta de mulheres?
— claro!
— então é bi?
— não sei ainda. por enquanto, eu sou hétero.
— esse tempo todo voce tava querendo ficar comigo, Josh?
— não. comecei a sentir isso há pouco tempo.
— ah cara, se voce tiver que virar gay ou bi, sei lá, então eu não vou ligar, brother. continuaremos amigos, mas não vai rolar nada entre a gente. foi mal.
— eu também não sei se eu teria coragem, cara. mas tinha que falar pra voce. tava incomodando já.
— sei. relaxa, eu não ligo que goste de outros caras de vez em quando.
— vai continuar tudo como está, promete?
— prometo. voce ainda é meu melhor amigo.
— valeu, bro.
— ou amiga, sei lá. — disse Bart, rindo.
— vai tomar no cu, Bart. — disse Josh, também rindo.

Após terminarem de almoçar, Carter e Gwen saíram da lanchonete rindo, felizes. Gwen estava cantando e saltitando. ao atravessarem a rua, um carro com um motorista alcoolizado, virou rapidamente a esquina. Gwen, enquanto andava graciosamente, quase que dançando pela faixa de pedestres, foi atingida em cheio pelo carro do motorista imprudente, que não parou após atingí-la. Carter estava mais longe, e não foi atingido. porém Gwen, estava no meio da rua, sangrando e desmaiada.


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comente se for capaz.