30 julho 2010

we all rock along - cap 14

-

Capítulo 14 - Fim da festa



Aquele domingo já havia escurecido, e a festa na piscina estava quase no fim. o frio, repentino, estabeleceu-se sobre Nova York. milhares de luzes se acenderam pela cidade que nunca dorme. algumas pessoas voltavam de seus empregos, outras saíam para trabalhar. o clima estava aconchegante e no casarão, onde vivem seis jovens independentes e sonhadores, o silêncio pairou por um longo tempo.
Carter se retirou da festa e subiu para seu quarto. Gwen se pôs à escutar atentamente do outro lado da parede, quando ele começou à tocar seu violão. Lindsay mergulhou na piscina graciosamente. Bart a assistia sem piscar, contemplando sua beleza nova iorquina.


— ora, ora, ora. há quanto tempo gosta dela? — perguntou Aaron, surpreendendo Bart, que não notou quando chegou.
— ahn? dela quem? — perguntou Bart, recompondo-se.
— você tá babando pela Lindsay.
— pô, tá na cara assim? bem, desde muito tempo que sou caidaço por ela. — confessou Bart.
— gosta tanto assim?
— o suficiente pra não conseguir compôr uma música sequer que não seja sobre ela.
— já disse isso à ela?
— sim. quando eu tava noiado. mas além de uma noite que passamos juntos, ela prefere apenas amizade. — Bart fez aspas com os dedos ao dizer as duas últimas palavras.
— por que não tenta de novo, agora que voltou à ser o Bart que conhecemos?
— hm, não é uma má idéia. mas hoje não. vou agir quando estivermos sóbrios.

Chloe observava as nuvens espessas que cobriam as estrelas, deitada no gramado, enquanto, ao seu lado, Amber e Duncan conversavam e riam escandalosamente. a umidade da grama parecia não incomodar. Chloe estava quieta e pensativa. quando ela suspirou fortemente, chamou a atenção de Amber, que perguntou:

— Chloe, por que você tá assim?
— Amber, eu não tô preparada pra isso. — disse Chloe, com o olhar vago.
— preparada para o quê?
— pra enfrentar o meu pai. ele não vai reagir bem, nem um pouco.
— sobre a sua opção sexual?
— é. ele é super religioso e preconceituoso. se ele ainda me dirigir a palavra, vai me dar o maior sermão do mundo e me fazer sentir da pior maneira possível.
— ah Chloe, você pode contar com a gente do seu lado. não é, Duncan? — Amber disse, querendo incluir Duncan na conversa.
— ahn, claro! — respondeu Duncan, prontamente.
— eu sei, eu sei! obrigado. mas... ah eu praticamente ficarei sem pai. é lamentável como uma pessoa possa ser ignorante assim. não sei se vou aguentar.
Amber e Duncan ficaram quietos, então Chloe quebrou o silêncio.
— então, vamos tomar um café, Amber? — Chloe deu ênfase ao nome da namorada.
— tudo bem. — Amber se levantou, depois se virou para Duncan e o convidou — vamos, Duncan!
Chloe continuava com o olhar vago, tentando ignorar todos à sua volta. sabia que precisava ficar sozinha, mas não queria. Amber parecia não perceber que estava tornando seu relacionamento, cada vez mais, um triângulo amoroso. isso incomodava Chloe, que estava com a cabeça atolada de problemas.
— não. vou ficar por aqui mesmo. — disse Duncan, que continuou encarando Chloe, enquanto Amber se afastava. Chloe estava com uma expressão indecifrável, esperando Duncan dizer alguma coisa. então ele comentou — menàge à trois nunca termina bem, não é?

Quando o efeito de tanta bebida passou, Bart lembrou que seu melhor amigo tinha ido embora e então partiu para procurá-lo. refletindo sobre o que disse, Bart entendeu porque Josh pareceu chateado.
Agora fazia um frio congelante mas isso não intimidava Lindsay, que continuara na piscina. ela convidou Aaron à entrar na água. ele hesitou e por fim entrou. Lindsay brincava, insinuante, com Aaron, que estava segurando a onda. quando ela finalmente o beijou, ele estava relutante. entao ele a segurou e disse:

— Lindsay, eu não posso mais fazer isso.
— mas por quê? — perguntou Lindsay.
— é que... o Bart gosta mesmo de você.
— mas, Aaron, eu quero ficar com você, não com o Bart.
— olha, o nosso lance é só atração física. mas o Bart realmente gosta de você. pra caramba! ele é quem te merece, não eu.
— mas... eu não sinto o mesmo por ele.
— acho que vocês podiam tentar. mas a questão é que eu não posso mais ficar apenas por ficar com você, uma vez que tenho um grande amigo que é louco por você.
Lindsay parou por um instante e disse vagarosamente:
— eu entendo. você tá certo. eu acho que eu não mereço que ele goste de mim assim. — Lindsay soltou uma risada leve e rápida.
— isso quem decide é ele.

O Central Park estava mais convidativo do que nunca. e lá estavam Gwen e Carter, agasalhados, tomando seus cafés expressos da Starbucks. Gwen contara que agora sabia que não estava grávida e Carter a lembrou que está sempre certo quando diz que tudo vai ficar bem. sentaram-se em um dos frios bancos e a conversa descontraída terminou. Gwen olhou para seu copo de café quase no fim, suspirou e disse:

— Carter, eu andei pensando e... acho que a gente tentou de novo e a gente tá conseguindo... — Gwen parou. deixou seu véu de cabelos quase brancos caírem por seus ombros, cobrindo seu rosto.
— conseguindo fazer nosso namoro dar certo? — completou Carter, virando seu rosto pálido de frio para Gwen.
— é, isso. mas eu não tô... nós não estamos no clima, entende? queremos ficar juntos. mas agora é não é a melhor hora. estamos em momentos diferentes. acho que por hora é melhor sermos apenas...
— os bons amigos que sempre fomos.
— acima de tudo, você é meu melhor amigo. nascemos um pro outro. essa é a verdade. pode apostar, nós...
— ...ainda vamos casar.
— tá vendo só? você vive completando minhas frases. ninguém me entende ou me conhece como você. mas você deve ter percebido que ambos não podemos continuar em um relacionamento. não agora.
— eu entendo. acho que o nosso grande erro foi insistir em um relacionamento, sendo que não era a hora certa pra exercê-lo.
— exatamente. e viemos cometendo o mesmo erro ao longo do tempo. então vamos esperar até estarmos prontos?
— claro. é a melhor opção. então por enquanto você é apenas a melhor das minhas amigas.
— Cartie, você é maravilhoso. eu te amo mais do que possa imaginar.
— Gwendolyn, sou maravilhoso por você.

Bart procurara seu amigo em diversos lugares, tentara ligar inúmeras vezes. porém, só fora encontrá-lo onde nunca pensara em procurar; lá estava Josh, parado em plena Times Square, em frente à um letreiro que brilhava em todas as cores e se retorcia em um arco-íris. estava tremendo envolto ao frio. Bart arfou e andou até ele, que permaneceu pretrificado, virado de costas, quando Bart disse:

— Josh! — Bart bufou — Josh, olha pra mim. — Josh se virou, encarando Bart, que prosseguiu — cara, me desculpa... me desculpa mesmo.
— então é isso que você pensa sobre mim, não é? — Josh soava desolado.
— olha, eu não quis dizer aquilo. eu estava bêbado.
— sim, você quis. acha que eu não percebo como fica cauteloso do meu lado? você tem medo de mim agora, como se eu fosse te assediar, só porque me apaixonei por você. eu te respeito, Bart. eu te respeito, cara. eu já entendi que nunca vai rolar nada. já me conformei. você pareceu entender quando eu te disse isso. mas aí você enche a cara e resolve contar meu segredo.
— não sabia que era um segredo.
— mesmo que não fosse, eu ia contar pra todo mundo se eu tivesse vontade. — Josh agora gritava — ninguém tem nada à ver com minha vida. e agora eu não posso contar segredos pra você, porque quando fica bêbado, você conta pra alguém e faz piada disso. e mal posso ficar do seu lado sem sentir que você tem medo que eu te agarre. por que não pode simplesmente...
— Joshua! — Bart gritou, interrompendo Josh. — eu sei que eu fui um babaca de agir assim. você não merecia passar por isso. fui infantil e um tanto homofóbico. mas me desculpa. agora eu tô vendo que eu preciso... eu quero e vou ser o mesmo de antes com você. porque você merece aquele Bart, já que você ainda é o mesmo Josh.
— olha, Bart, eu não quero mais ficar com você, nem te beijar, nem te agarrar. eu nem sei mais o que eu quero. eu tô me descobrindo. eu só quero que você seja meu amigo do mesmo jeito que você era antes de tudo isso. quero que você me aceite seja lá o que eu for.
— Josh, eu te aceito. eu sei que gostando de garotos ou não, você ainda é o Josh, o meu melhor amigo. e eu, sinceramente, nunca mais vou ficar cauteloso ou com medo de você. eu reconheço que eu estava bêbado e disse o que eu pensava. mas eu espero que você esqueça aquele Bart que foi um idiota com você e perceba que o que eu penso agora não é mais o que eu pensava hoje à tarde.
— sim, eu ainda sou o mesmo Josh. e... é... você voltou à ser o Bart. — Josh se acalmou.
— graças à você, cara.
— me abrace pra provar que não tem medo. — disse Josh, abrindo um leve sorriso.
— ora, o que é um abraço pra quem já te beijou? — Bart brincou e o abraçou fortemente em seguida.
— agora continue sempre assim, não quero que esse Bart vá embora de novo!

Em seu quarto, Aaron se preparava para dormir. quando tirou o celular do bolso, notou que tinha 32 novas mensagens de voz. todas tinham o mesmo remetente: Mellanie. ele hesitou, pensou e enfim, escutou a primeira mensagem. grunhiu e escutou a segunda, que dizia basicamente a mesma coisa que a primeira. então, sem pestanejar, ele apagou todas as outras 30 mensagens restantes. continuou parado onde estava e arremessou o celular contra a parede. olhou para o espelho, pensativo, e suspirou fundo.
Do lado de fora, engolida pela noite e pelo frio, estava Mellanie, olhando fixamente para a janela do quarto de Aaron. seu coração estava apertado e havia um nó em seu estômago, pois sabia que Aaron jamais a perdoaria. mas convencera à si mesma de que sua história não acabara ali. ela assistia enquanto Aaron fechava as persianas de sua janela. as lágrimas que desceram de seus olhos, pareceram cristalizar, congeladas pelo grande frio que fazia naquele fim de domingo. porém, Mellanie parecia não sentir nada além, de uma enorme tristeza que a consumia.

já era tarde, e todos estavam dormindo, exceto Lindsay. ela andava vagarosamente pelo corredor, em direção à seu quarto. mas parou em frente à porta de Bart. Lindsay fitava o nada e desde sua recente conversa com Aaron, dezenas de pensamentos invadiram sua cabeça. ela refletia sobre Bart e foi reconhecendo pouco à pouco o que ele representava pra ela. pensou em irresistíveis possibilidades. Lindsay nunca gostou de se arrepender do que não fez, e sempre fora impulsiva, então abriu a porta do quarto de Bart e acendeu a luz, acordando-o.

— Lindsay, o que faz aqui? — disse Bart, surpreso, com os olhos semi-cerrados, tentando acostumá-los à luz.
— Bart, podemos começar de novo? — Lindsay disse com voz baixa. Bart ficou em silêncio olhando para ela, então Lindsay caminhou até ele e o beijou delicadamente. sentiu suas pernas tremerem e seu coração acelerar. sentiu algo mais do que apenas atração física. impressionada, Lindsay sussurou no ouvido de Bart — eu descobri... que quero ficar com você.

A segunda-feira amanhecia, o frio continuava. todos se preparavam para a última semana de aula até as férias. Carter acordou com seu telefone tocando. ainda meio sonolento viu que quem ligava era Jared. então despertou rapidamente e atendeu:

— alô!
— e aí, Carter? tá à fim de abrir o show do The Maine nessas férias? — Jared disse, e parecia que ele sorria com a voz.
— ahn? — Carter esfregou os olhos — tá brincando?
— é sério! a Undercover Lovers vai abrir o show pra The Maine!
Carter jogou a cabeça pra trás, soltando o ar, aliviado, como se estivesse à um passo de seu sonho.
— repete, por favor!
— a sua banda vai abrir o show do The Maine!
— ah eu nem acredito! cara, eu te amo! obrigado mesmo. você é o melhor empresário do mundo!
Carter saiu da cama agitado e foi pulando pra fora do quarto. ele vibrava e começou à berrar comemorativamente:
— Aaaaaaaron, Baaaaaaart! acorda todo mundo! a gente vai abrir o show do The Maine! do The Maine!
Rapidamente, Bart e Aaron saíram de seus quartos. olharam para Carter confusos.
— é sério, cara? — perguntou Aaron. Bart bocejou.
— é super sério! — Carter disse, segurando os ombros de Aaron — o show da minha banda preferida! — Carter abraçou Aaron, que estava boquiaberto.
— caraca! caraca! caraca! a gente tá feito! — Bart gritou, quando começou à pular. Aaron soltou um grito ensurdecedor e Carter o acompanhou, acordando qualquer uma das garotas que pudesse estar acordada.
— andem! vamos contar pro Duncan e pro Josh. depois sair pra comemorar! — disse Aaron, transbordando felicidade.



-

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comente se for capaz.