17 janeiro 2011

we all rock along - capítulo 7 - 2°T


Capítulo 7 - Enxergando No Escuro


Josh encarava o telefone, deitado no sofá, sozinho em seu apartamento. acordara bem cedo devido à ansiedade provocada pela data. era seu aniversário de 17 anos. Josh sempre fora o mais novo em quaisquer grupos de amigos que tinha. apesar de ser tratado como um frágil mascote algumas vezes, ele gostava de ser o caçula. já podia ver todos os seus amigos bagunçando o seu cabelo como se fosse uma criança. embora ele não fosse nada infantil ainda que seu rosto com pele de bebê apontasse o contrário.

— Feliz Aniversário, Joshie! — gritou Bart, chegando de surpresa na sala com os braços abertos. Josh abriu um largo sorriso e pulou para abraçá-lo. olhou para a porta aberta e os outros também estavam lá. Carter com o braço nos ombros de Aaron, Gwen trazendo um pequeno bolo e Lindsay carregando um notebook com o rosto de Duncan sorridente na tela, participando online da comemoração. Josh desceu de cima de Bart e abraçou todos fortemente. falou com Duncan pela webcam com cara de sono.

— anda, Joshie. você ganhou uma festa! — disse Carter e fez cara de bobo — vamos pra nossa casa. — Carter o conduziu até a porta com as mãos em seus ombros. então, sem que Josh esperasse, Justin apareceu soprando confetes por todo o lado e rindo como um idiota. enquanto Josh tentava enxergar através da chuva colorida de confetes, Carter já o havia arrastado para o elevador, onde todos se espremeram para descer, ainda fazendo festa.


Ainda era cedo e dia de festa. todos saíram do carro apressados, tinham de preparar uma festa de aniversário. Justin fora o último à sair, bateu a porta do carro, olhou para trás, para Josh. sorriu e o deixou sozinho com Bart, o único dali que ainda não sabia da relação de Josh com Justin.

— vamos jogar. — disse Bart, jogando uma bola de basquete no peito de Josh. — o pessoal cuida da festa. vamos jogar enquanto isso. Josh sorriu e eles correram para pequena quadra com uma cesta de basquete na lateral da casa.
— err, Bart. depois eu queria... conversar com você. pode ser? — Josh disse hesitante enquanto quicava a bola antes de arremessar.
— sobre o que? — Bart roubou a bola e correu para cesta.
— uma coisa que você precisa saber... sobre mim.
— você é cheio de surpresas. Bart encestou, se pendurando na cesta. depois pulou rindo. — e você fala demais.
— sabe que eu não sou bom nisso.
— isso porque não mantém a cabeça no jogo. — Bart começou à quicar a bola. — por que não me fala agora?
— porque estamos jogando basquete agora.
— tudo bem então. — Bart segurou a bola embaixo do braço. — vamos conversar agora.
— não, Bart. depois nós conversamos. — Josh tentou roubar a bola e Bart segurou seu braço.
— Josh, fala pra mim. a gente não tem conversado muito ultimamente. pô, eu sou seu melhor amigo. qualquer que seja a merda que você tenha feito, você vai me contar.
— eu não fiz merda. — Josh baixou a cabeça. — bem, é que... — ele mordeu os lábios, desajeitado. — olha, Bart... ah, esquece. esquece, tá? deixa pra lá. não me pede pra falar. só... esquece. — ele abandonou a quadra, andando rápido. Bart assistiu quieto e deixou a bola cair, quicando no chão.


A noite chegou rapidamente. todos se reuniram no jardim próximo à piscina. Carter pegou bebidas no freezer e correu para ligar o rádio. dera-se início à festa. Josh apareceu sorrindo sem graça e se sentou completando o círculo que os outros formaram no gramado com presentes em seus colos.

— eu começo! — gritou Lindsay, jogando sua caixa para Josh. ele abriu e soltou uma gargalhada.
— um caixa cheia de camisinhas! ótimo, Lindsay, vou levar uns 10 anos pra usar todas.
— foi o melhor presente que eu pude arranjar de graça. lide com isso.
— valeu! você acabou com meus planos de contrair uma DST.
— agora abra o meu presente. — pediu Gwen. Josh pegou a caixa comprida e abriu ansioso.
— roupas! — ele exclamou muito bonitas, aliás. foi você quem...?
— sim. fui eu quem as fez. — Gwen sorriu, inclinando a cabeça para o lado.
— que máximo! agora eu tenho roupas exclusivas feitas pela Gwendolyn Pope.
— agora, minha vez! — disse Carter, entregando-lhe um caderno fino.
— um caderno?
— não apenas um caderno. abra. — Carter arqueou as sobrancelhas. Josh abriu o caderno e sua expressão se clareou.
— partituras! você compôs uma música?
— aham. pra você. é só instrumental.
plan dan pan plan tan dan dan! — Josh cantarolou o que leu nas partituras e deu um riso desacreditado. — valeu, Carter. não existe nada igual à você. e o que tem pra mim nessa caixa enorme, Aaron?
— você não vai acreditar.
— você não... não gastou uma fortuna, não é?
— talvez. — Aaron sorriu e jogou uma paleta fluorescente para ele. Josh segurou, tomou como uma dica e arregalou os olhos.
— é o que eu tô pensando?
— aham!
— uma guitarra? — Josh gritou, levantando-se rápido. arrancou a tampa da caixa com violência e ergueu a guitarra, nova e reluzente. passou os dedos pelas cordas, feito um bobo e abraçou Aaron. — cara, não devia ter gasto tanta grana. mas valeu mesmo.
— a guitarra mandou bem mesmo. mas nunca vai superar o meu presente. divirta-se. — disse Justin, estendendo um pacote. Josh pegou e abriu com as sobrancelhas franzidas. Justin reprimia o riso.
— um pênis de borracha? — gritou Josh, ao arrancar seu presente do pacote e todos, tão surpresos quanto ele, explodiram de rir. pô, sacanagem!
— pra você se divertir sozinho. — brincou Justin, entre gargalhadas.
— vai se foder!
— bem, eu queria deixar o melhor pro final, mas acho que o Justin conseguiu arranjar o melhor presente. — disse Bart, quando conseguiu parar de rir. ele andou e abraçou Josh. — Parabéns, Joshie! prometa que vai crescer mas ainda será o pequeno Josh. — Bart o entregou uma folha enrolada com um laço. Josh puxou o laço e deixou o queixo cair quando a folha se abriu.
— uau, Bart. sou eu aqui. você desenhou. achei que nunca mais fosse...
— valeria a pena. nem que fosse o último. quero que você tenha um desenho feito por mim.
— obrigado, cara. obrigado. isso ficou incrível!
— o Bart desen...? — Gwen se perdera no contexto.
— não fala nada. — Aaron a interrompeu, falando baixo. longa história.
— pessoal, muito obrigado mesmo por todos terem lembrado de mim. vocês sabem o quanto significa pra mim. agora eu vou vestir minhas roupas exclusivas, tocar minha música com minha guitarra nova, pendurar meu desenho na minha parede e quem sabe, usar essas mil camisinhas pra brincar com meu supositório colorido. é, eu não trocaria vocês por nada. talvez por calçadas onde meu skate não trave ou aquela gosma colorida que passa no comercial mas eu ainda não decidi isso.


------------------------------------------------------------------



Já se passara da meia-noite e todos estavam jogados pela sala, cansados. conversavam sobre tudo sem dizer nada. algumas garrafas rolavam vazias pelo chão, outras jaziam pela metade e outras despencavam das mãos daqueles que adormeciam. quando se fez silêncio absoluto, todas as luzes se apagaram. grande parte da cidade ficou às escuras. Josh caiu na risada e contagiou os demais. as risadas foram cessando pouco à pouco no escuro até que todos perderam a noção de direção.
Um apito os assustou. era o celular de Lindsay. ela o pegou e a pouca luz do visor se acendeu quase cegando todos na sala com suas pupilas dilatadas. Lindsay, com os olhos semi-cerrados, tentava distinguir o que dizia na tela de seu celular. haviam algumas chamadas perdidas e uma mensagem de voz. ela quis escutar e a voz de Megan surgiu no escuro:

"Lindsay, precisamos conversar com você. aconteceu uma coisa. é grave. nós realmente precisamos do dinheiro do fundo das líderes de torcida. mas ele sumiu. o mais provável é que alguém tenha roubado. bem, te acusaram e... muita coisa indica que foi você. obviamente eu não acho que tenha sido. mas precisamos resolver isso. me liga, tá?"

Paralisada, Lindsay esperou alguma reação dos demais. somente para perceber que era a única que ainda estava acordada naquela sala. ela se levantou devagar, tremendo. andou tentando desviar dos que dormiam jogados pelo tapete. com os dentes cerrados, apertou fortemente o celular em sua mão e o arremessou no meio do escuro o estatelando em alguma parede.

— AQUELA VADIA DA STACY! — berrou Lindsay, acordando todos com um susto. subiu as escadas fazendo barulho, com raiva.


Desnorteado, Bart se intrigou com o estado de Lindsay e levantou do tapete onde pegara no sono. limpou o pouco de baba que escorrera enquanto cochilava. andou, tateando tudo à sua volta. desistira de tentar enxergar qualquer coisa. ele chamou Lindsay e ela provavelmente não escutou. depois de subir as escadas, andou pelo corredor contando as portas para encontrar o quarto de Lindsay. ouviu alguns murmúrios e parou no batente de alguma porta.
As luzes se acenderam de volta, cegando todos, cujos os olhos estavam acostumados à escuridão. Bart pôs as mãos no olhos, protegendo-os até que suas pupilas contraíssem. ele ouviu os gritos rápidos de todos de quando a luz voltara e haviam gritos mais próximos à ele. ele abriu os olhos e tentou focá-los no que estava à sua frente. ele agora pôde enxergar. estava em frente ao quarto de Carter e dentro desse quarto estavam Josh e Justin com os olhos espremidos, se escondendo da luz atrás de um cobertor. quando se deram conta de que havia mais alguém ali, abaixaram o cobertor. Josh arregalou os olhos e Bart não acreditou nos seus ao ver Josh e Justin abraçados, nus na mesma cama.


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comente se for capaz.